Presidente do PSB, Carlos Siqueira, abre as portas para Brandão disputar o Governo pelo partido

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, abriu as portas do partido para o vice-governador Carlos Brandão (PSDB). Em entrevista ao jornal Correio Braziliense, o dirigente nacional revelou que a sigla socialista pode ter candidato no Maranhão. Em outras palavras, ele está antecipando uma possível filiação do pré-candidato ao Governo que tem apoio de Flávio Dino (PSB).

Carlos Brandão pode trocar o PSDB pelo PSB por conta da conjuntura nacional, uma vez que Flávio Dino constrói uma aliança com Lula e  PT no estado, enquanto que os tucanos possuem a pré-candidatura de João Dória a presidente, o que pode dificultar essa aproximação.

Portanto seria mais fácil ter Brandão no PSB do que no PSDB para ter o apoio do PT. A seguir veja a fala do presidente Carlos Siqueira.

“Quais são as prioridades do partido? O senhor falou em cinco estados.

São Paulo, Pernambuco, Espírito Santo, Rio Grande do Sul e Acre… E tem outros candidatos que poderão surgir, mas, até agora, nós colocamos na mesa esses cinco estados. Pode surgir, por exemplo, o Maranhão, onde o PSB, provavelmente, terá candidato também; pode surgir Alagoas.”

Na primeira pesquisa de 2022, Lula aparece com 22 pontos à frente de Jair Bolsonaro

Na primeira pesquisa de 2022 sobre as intenções de voto para presidente, realizada pela Genial Investimentos e Quaest Consultoria, divulgada nesta quarta-feira (12), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aparece na liderança. Se a eleição fosse hoje, petista teria quase o dobro dos votos do atual mandatário.

No primeiro turno, Lula teria 45% dos votos, seguido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), que aparece com 23%; o ex-juiz federal e ex-ministro da Justiça Sergio Moro (Podemos), com 9%; o ex-governador Ciro Gomes (PDT), com 5%; o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), 3%; e a senadora Simone Tebet (MDB), com 1%.

O levantamento ouviu 2.000 pessoas, com 16 anos ou mais, de 06 e 09 de janeiro. As entrevistas foram presenciais. O índice de confiança, segundo o instituto, é de 95%. A pesquisa foi registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número BR-00075/2022.

(Co informações do UOL)

Alckmin será vice de Lula, Haddad concorrerá ao Senado e Márcio França, ao governo de São Paulo

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin se desfiliou do PSDB nesta quarta-feira (15/10), depois de 33 anos de partido, para sedimentar sua candidatura a vice-presidente na chapa do ex-presidente Lula, do PT. Alckmin deve se filiar ao PSB.

Pelo acordo proposto nos últimos dias, além de Alckmin como vice de Lula, Fernando Haddad tende a disputar uma vaga para o Senado por São Paulo e Márcio França concorrerá ao governo paulista. Foi uma exigência do PSB para apoiar a aliança Alckmin e Lula. O acordo será detalhado aos poucos.

A aliança entre o agora ex-tucano e o petista agrada outros partidos de esquerda e de centro-direita. “É preciso ter uma chapa de equilíbrio”, afirma um congressista. A aliança entre Lula e Alckmin ainda passa pela criação de uma federação de partidos de esquerda. “Isso indica que os 26 estados e o Distrito Federal estarão coligados. Isso resolve muita coisa”, acrescenta.

Brasília, 15h27min

Os Negócios De Lulinha

A Lava Jato mostrou mais uma vez por que continua a ser importante para o Brasil. Desde 2006, são públicas as suspeitas de que Lulinha, o primogênito de Lula, e seus sócios receberam milhões de reais de grandes empresas. Só do grupo Oi/Telemar, um dos eventuais beneficiados, as empresas ligadas a Lulinha receberam 132 milhões de reais. No total, essas empresas receberam 287 milhões de reais, segundo dados da Receita. Vale lembrar a ascensão profissional meteórica de Lulinha: de biólogo com cargo modesto no Zoológico de São Paulo a empresário milionário, ele se tornou em curtíssimo tempo (justamente no governo do pai).

Livro: Sócio do Filho. A Verdade Sobre os Negócios Milionários do Filho do Ex-Presidente Lula ; Foto: Reprodução.

A Lava Jato colocou a lupa sobre os negócios de Lulinha, que agora é alvo preferencial das investigações. O sucesso do filho fez Lula, em tom de provocação aos que suspeitavam dos negócios de Lulinha, lançar o seguinte comentário: “Que culpa tenho eu se meu filho é o Ronaldinho dos negócios?”

Trecho da reportagem exclusiva da Crusoé que narra as suspeitas envolvendo as empresas de Lulinha e seus sócios com as operadoras Oi e Telemar:

“Em documentos colhidos pela Lava Jato, como e-mails e extratos bancários, apareceram os sinais concretos de que por trás do sucesso estaria o interesse das empresas parceiras em se aproximar de Lula e do governo durante os mandatos do petista. É justamente esse o ponto central da investigação. A Polícia Federal e o Ministério Público suspeitam que as empresas de Lulinha não prestavam os serviços pelas quais eram remuneradas – quando muito, entregavam apenas uma parte do contratado. O objetivo central seria vender influência. O material já reunido pelos policiais e procuradores dá força à hipótese: ao mesmo tempo que ganhavam muito dinheiro, Lulinha e seus sócios tinham acesso a informações privilegiadas do governo, influenciavam a agenda do então presidente da República e facilitavam a vida das companhias que contratavam suas empresas…”

A Lava Jato também encontrou indícios de que dinheiro proveniente da Oi/Telemar pode ter sido usado na compra do sítio de Atibaia, aquele já rendeu uma condenação a Lula.

FONTE: oantagonista

Lula deixa a prisão em Curitiba

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deixou a prisão em Curitiba, após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele que estava preso desde 7 de abril de 2018, na Superintendência da Polícia Federal (PF) saiu do local por volta das 17:40, e fez um discurso no qual agradeceu a militantes que ficaram em vigília por 580 dias.

Foto: Giuliano Gomes/PR Press

Condenado em duas instâncias no caso do tríplex no Guarujá, no âmbito da Operação Lava Jato, Lula cumpria pena de 8 anos, 10 meses e 20 dias. O STF decidiu derrubar a possibilidade de prisão de condenados em segunda instância, alterando um entendimento que vinha sendo adotado desde 2016. A maioria dos ministros entendeu que, segundo a Constituição, ninguém pode ser considerado culpado até o trânsito em julgado e que a execução provisória da pena fere o princípio da presunção de inocência.

FONTE: G1-MA